Folha da cidade 287
Acesse Nossa
Edição Online
Clique na capa para abrir a versão Flip Clique aqui para abrir a versão PDF
Ínicio / Notícias / Cidade / Fé, base para a história de Rio Verde

Fé, base para a história de Rio Verde

Não poderíamos contar a história da cidade de Rio Verde sem mencionar a da Paróquia Nossa Senhora das Dores já que tanto a cidade como a Paróquia foram fundadas oficialmente no mesmo dia, 05 de agosto de 1848.
Rio Verde está localizada no sudoeste do estado, era, antes da colonização, território dos Índios Caiapós. Com a ocupação do sudoeste Goiano no início do Século XIX com a isenção de pagamento de impostos por 10 anos pela Lei nº 11 para criadores de gado bovino e equino na região sul de Goiás, por volta do ano de 1840, chegam a região José Rodrigues de Mendonça, sua esposa, Florentina Cláudia de São Bernardo e filhos que se estabeleceram a seis léguas de Rio Verde, no que viria a ser a Fazenda São Tomás.
Em 25 de agosto de 1846, José Rodrigues e sua mulher doaram sete sesmarias de suas terras para o patrimônio da Igreja e construção de uma capela em louvor a Nossa Senhora das Dores, A partir daí, surgiu o Arraial de Nossa Senhora das Dores do Rio Verde. Em 5 de agosto de 1848, através da Lei Provincial, a Vila foi elevada à categoria de Distrito de Rio Verde.
A região do Sudoeste Goiano foi vagarosamente sendo povoada, surgindo de forma especial a vila chamada Nossa Senhora das Dores de Rio Verde, e em 1848, dia 05 de agosto, através da lei n° 5 criada pelo presidente da Província de Goiás, cidade de Rio Verde, elevada à condição de freguesia, o que a equiparava à noção atual de município. Neste dia também foi criada a Paróquia Nossa Senhora das Dores através da Lei nº 6 do mesmo presidente, sendo esta colada à Matriz de São Francisco dos Anicuns.
Com a criação da paróquia e elevação do arraial à condição de freguesia, coube então à população preparar uma Igreja e a casa paroquial para que recebesse um vigário que passaria a residir ali. Foi então, um tempo novo e cheio de esperanças, um trabalho que iniciou de forma tímida, mas que sinalizava o futuro de uma Igreja Diocesana. Neste período aparecem outros povoados e cidades, e entre devoções, procissões e quermesse, o povo foi recebendo a formação cristã e os sacramentos.

Sobre Equipe JFC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *