Jornal Folha da Cidade – Edição 271
Acesse Nossa
Edição Online
Clique na capa para abrir
Ínicio / Notícias / Cidade / DOENÇAS VIRAIS DE IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS FOI TEMA DE PALESTRA NO SINDICATO RURAL DE RIO VERDE

DOENÇAS VIRAIS DE IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS FOI TEMA DE PALESTRA NO SINDICATO RURAL DE RIO VERDE

Após um surto de peste suína na China, criadores de todo o mundo estão buscando informações sobre a doença que levou mais de 1 milhão de porcos ao abate no referido país, volume este que é o triplo que o Brasil produz durante um ano inteiro. A China é o maior produtor de carne suína do mundo: são cerca de 54 milhões de toneladas por ano. Os primeiros casos de peste suína africana por lá surgiram em agosto de 2018.

Visando a busca por informações, aconteceu hoje, (23), no Salão do Sindicato Rural de Rio Verde, o Workshop de Capacitação de Doenças Virais de Importância na Produção de Suínos. O curso foi ministrado pela especialista em epidemiologia das doenças infecciosas, a doutora em medicina veterinária Masaio Mizuno Ishizukae também por técnicos da Agrodefesa, que contribuíram com orientações sobre o Programa de Sanidade Suídea no estado.

Professora da USP, Dra. Masaio falou sobre as diferenças entre a Peste Suína Africana e Peste Suína Clássica e lembrou que o Brasil é o quarto maior produtor e exportador de carne suína do mundo e que o último caso de peste suína africana em território brasileiro aconteceu em 1978. “Precisamos seguir as normas de seguridade nas propriedades, para que a peste suína clássica não se torne um agravante em nosso país, uma vez que já foram identificados casos em pequenas propriedades nos estados do Ceará e Piau, estados estes que não fazem parte da zona livre da doença”.

A Diretora Técnica da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos – ABCS,. Charli Ludtke falou sobre a inspeção de bagagens, de ingresso de viajantes que vêm ao Brasil oriundos dessas áreas que possuem a peste suína e que medidas já estão sendo tomadas em portos e aeroportos.

PESTE SUÍNA CLÁSSICA

A peste suína clássica é uma doença viral, não transmissível ao homem, mas mata porcos domésticos e selvagens, afetando à indústria e consequentemente à economia. Ela é uma doença causada por um vírus que acomete apenas suídeos, provocando problemas sanitários nas crianças, perdas econômicas e boqueio da comercialização de suínos e produtos. 

A doença é transmitida através do contato entre animais doentes e animais sadios, sendo o javali um potencial disseminador da doença para o rebanho suíno, também por meio de veículos, roupas e objetos contaminados e alimentos e produtos cárneos contaminados. 

Os sinais clínicos são: tristeza no animal, febre alta, vômitos, diarreias, manchas arroxeadas pelo corpo (orelhas), andar cambaleante, aborto no final da gestação, conjuntivite e mortalidade. 

As formas de prevenção são: não transportar suínos e produtos das áreas não livres da doença, não alimentar suínos com restos de alimentos sem cozimento, criar suínos em instalações adequadas, com cercas e telas; limpar e desinfetar veículos transportadores de suínos, trocar, descartar ou lavar roupas e sapatos que tenham sido utilizados em viagens às áreas que não são livres da doença. 

PESTE SUÍNA AFRICANA

A peste suína africana é uma doença altamente contagiosa, causada por um vírus composto por DNA fita dupla. A doença não acomete o homem, sendo exclusiva de suídeos domésticos e asselvajados (javalis e cruzamentos com suínos domésticos).

A doença tem sido observada desde o início do século 20 no sul e leste africanos e inicialmente era caracterizada pelos aspectos clínico-patológicos semelhantes à peste suína clássica (PSC). No entanto, posteriormente foi observado que às duas enfermidades são distintas.

A suspeita inicial da enfermidade baseia-se principalmente na observação dos sinais clínicos de doença hemorrágica. Porém, o uso de técnicas laboratoriais, como as moleculares, é imprescindível para a confirmação do diagnóstico.

A peste suína africana é uma doença de notificação obrigatória aos órgãos oficiais de controle de saúde animal, uma vez que ela possui rápida disseminação. Não existe vacina ou tratamento para PSA.

REALIZAÇÃO

O evento foi uma realização da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Associação Brasileira das Empresas de Genética de Suínos (Abegs), Associação Brasileira de Médicos Veterinários Especialistas em Suínos (Abraves), a Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (FAEG), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR GOIÁS), Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária de Goiás (IFAG), Sindicato Rural de Rio Verde, Associação Goiana de Suinocultores (AGS) e Associação dos Granjeiros Integrados do Estado de Goiás (AGIGO)

Sobre Equipe JFC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *