Home / Notícias / Cidade / Sindicato Rural abre mais uma vez o Laboratório para monitoramento da FERRUGEM ASIÁTICA.

Sindicato Rural abre mais uma vez o Laboratório para monitoramento da FERRUGEM ASIÁTICA.

A ferrugem Asiática é uma das principais doenças da cultura da soja na atualidade, causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizie e que pode trazer grandes perdas na produtividade. Descoberta em 1903 no Japão, a Ferrugem Asiática foi encontrada no Brasil na safra de 2000/2001. Em 2002 a doença chegou no estado de Goiás e atualmente, todos os estados produtores de Soja, exceto Roraima, já teve casos da doença identificados. É uma das maiores preocupações na cultura de soja nas regiões do cerrado e a cada ano ela tem sido diagnosticada mais cedo.
Para ajudar no diagnóstico e acompanhamento da doença, pelo décimo ano consecutivo, o laboratório de fitopatologia do Sindicato Rural de Rio Verde em parceria com a Universidade de Rio Verde, Instituto Federal Goiano e Faculdade Objetivo está oferecendo os trabalhos de monitoramento da ferrugem. O laboratório localiza-se na Casa do Produtor, no interior do Parque de Exposições e funciona durante a safra verão. Este diagnóstico é importante para que o Produtor evite que danos como já ocorreram em nossa região. “O serviço é totalmente gratuito e o produtor rural não precisa ser associado do Sindicato Rural para trazer as amostras, estamos prontos para receber folhas de toda a região sudoeste. Quanto mais produtores procurarem melhor”, explica o presidente Luciano Guimarães.
O serviço, além de diagnosticar, também monitora a doença. Para prestar um serviço de qualidade, bons profissionais e equipamentos são necessários, o laboratório conta com o fitopatologista Hercules Campos Diniz (UNIRV), agrônomos, estagiários de agronomia e é equipado com microscópios de última geração. De acordo com o coordenador do laboratório e engenheiro agrônomo Antônio Carlos Bernardes, o momento agora é de cautela e monitoramento. “Quando a doença se instala, ela pode levar a quebra de até 90% da produção, por este motivo, o manejo integrado de pragas e o monitoramento são as principais ferramentas para o controle da ferrugem asiática”.
De acordo com o fitopatologista Hércules, a variação climática junto os diferentes tipos de manejos podem contribuir para a proliferação da ferrugem. “O produtor deve ter em mente que a forma mais eficaz é o monitoramento das lavouras, ele precisa estar constantemente em vigília e utilizando o laboratório do Sindicato Rural”, comenta.
O laboratório funcionará de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 12h e das 13 às 17h e aos sábados das 8 às 11h.

SAFRA PASSADA
Na safra 2017/2018 o laboratório do Sindicato Rural recebeu 1547 amostras. Destas, 15 foram diagnosticadas positiva para a ferrugem asiática, sendo casos espaçados em: Rio Verde, Montividiu, Chapadão do Céu, Paraúna e Caçu. Verificou-se uma pequena ampliação no número de amostras, em relação à safra da mesma época no ano anterior, porém com quase o dobro de amostras positivas.
REABERTURA
Para marcar a reabertura do Laboratório, o Sindicato Rural de Rio Verde, convida os produtores rurais e a imprensa, para um café da manhã nesta sexta-feira, 23 de novembro, às 07:30, na casa do produtor. Na oportunidade foi apresentada a nova equipe de trabalho da safra 2018/2019.

About admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *