Home / Notícias / Cidade / Tanta História Para Contar!

Tanta História Para Contar!

Isaac Pires Cabral.

No início do século XIX, começa a chegar ao sudoeste goiano, os primeiros emigrantes; segundo as informações históricas, no ano de 1819 chegaram os primeiros habitantes onde hoje se encontra o nosso município, vindos do interior de Minas Gerais e São Paulo. No decorrer das viagens ( que eram feitas a maioria das vezes em caravana de carro de boi), enfrentaram adversidades iguais aos colonizadores do oeste americano: tinham que enfrentar os índios Caiapós na luta pela terra, além de sofrerem com as doenças tropicais, que matavam grande parte dos componentes das famílias.
José Rodrigues de Mendonça, que chegou aqui por volta de 1830, recebe o título de pioneiro número um, após doar terras de sua fazenda a N. Sra. das Dores, para a formação de seu patrimônio e construção de sua capela. Era o inicio de uma comunidade, que se formava ao redor da Igreja, sob as ordens do clero, que ordenava a vida das pessoas e dirigia a política local.
Não era tão bom! O povoado começou próximo de onde se encontra o Tiro de Guerra. Até a passagem do exército em 1865, só haviam cerca de trinta casebres onde hoje é a rua Senador Martins Borges. Se voltássemos ao tempo não acreditaríamos que aquela é a rica Rio Verde de hoje. Os analistas sociais daquele tempo já previam que Rio Verde seria um município rico; na época os ruralistas já vendiam grande quantidade de gado para os estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro.
A Política começou a se firmar com o conselho, que era eleito pelos que possuíam renda estipulada em altos valores, possivelmente, todos eram fazendeiros e criadores de gado. A família Leão dominou a política do século XIX. Quando chegou o final do século XIX e início do XX, inicia-se a época dos intendentes. Não mudando o aspecto coronelista que provinha do século passado, as disputas eram feitas muitas vezes à bala. À noite os moradores tinham que se trancar em casa, amedrontados com os tiroteios dos grupos rivais.
Éramos de fato uma cidade com poucas características urbanas, que precisava modernizar e, as tendências de modernização vão aparecendo depois dos anos 20, Pedro Ludovico Teixeira, trás ideias novas, outros moradores, que chegam de centros urbanos passam a discutir sobre a sociedade que se desejava para o futuro.
Rio Verde foi mudando aos poucos, o comércio, principalmente depois dos anos 40, foi se expandindo, grandes lojas chegando e, logo, em 1942, o banco do Brasil se instalou aqui.
Nos anos 50, exatamente em 1951 é implantada a primeira rádio, Rádio Rio Verde S/A; nos anos 60, começa o asfaltamento das ruas; e com a chegada dos sulistas, inicia-se a produção agrícola de maior escala; com implantação da COMIGO, o município inicia o ciclo agroindustrial; e com a vinda da Perdigão, hoje BRF, se firma como uma das grandes economias da país.
O que foi previsto ainda nos meados do século XIX, por analistas econômicos de que um dia Rio Verde deixaria de ser um povoado extremamente pobre, aconteceu; tudo isso graças a muita luta e perseverança de todo o povo rio-verdense, que tem sim que comemorar nossos 170 anos de emancipação!

About admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *